Especiais – Impressões Black Friday 2015

Eu provavelmente deveria estar trabalhando no próximo post do blog. Mas como consumidora que foi dormir às 3h da manhã garimpando tesouros na Black Friday, senti os dedos coçando pra comentar minhas impressões. Então, vamos fazer uma coisa diferente: um post mais curto, especial, pra gente conversar sobre os descontos do dia 27. ;)

Fonte: theodysseyonline.com - Reprodução

Fonte: theodysseyonline.com – Reprodução

Apesar de carinhosamente apelidada de “Black Fraude” ou “metade do dobro”, a massiva campanha de promoção costuma valer a pena para o setor literário. Não sei se porque livros são itens mais acessíveis quando comparados aos eletrônicos, ou se porque livros baratos servem como  chamariz para que o consumidor compre outros produtos, mas o fato é que sempre acabo encontrando descontos maravilhosos. Então, estava empolgadíssima quando o relógio bateu bateu a meia-noite. Só que as coisas foram um pouco diferentes do que eu estava esperando.

E antes de discutir cada uma destas diferenças, uma frase pra resumir todo o teor do texto: a Black Friday 2015 teve, em todos os aspectos, negativos ou positivos, um funcionamento bastante distinto da Black Friday do ano passado.

– O aquecimento

A verdadeira Black Friday 2015 aconteceu muito antes da Black Friday. Assim que começou novembro minha caixa de entrada recebeu uma avalanche de emails com ofertas de “aquecimento”. Muitos produtos estavam com preços até melhores do que no dia 27 propriamente dito. Quem já havia garantido seus livros, não se arrependeu. Imagino que depois de tanto tempo acusando as lojas de praticar a metade do dobro, as empresas tenham decidido oferecer descontos palpáveis no início do mês para atrair mais consumidores na Black Friday.

– Quem entrou de cabeça e quem não

Acompanhei os preços e ofertas de várias lojas, mas principalmente Amazon, Ponto Frio, Submarino e Saraiva. Minha conclusão é de que nem todas as grandes vendedoras de livros entraram de cabeça na Black Friday desse ano. O Ponto Frio estava com preços bacanas, mas é um site que faz tanta promoção durante o ano (com frete grátis) que a Black Friday não ficou com cara de destaque. Esperava mais também do Submarino, provavelmente a loja que mais me decepcionou (ano passado fiz todas as minhas compras lá). A Saraiva apresentou ofertas tentadoras, mas creio que lucrou mais com os eletrônicos que os livros: não deu pra competir com a Amazon.

A gigante virtual foi quem realmente chamou a atenção, com uma quantidade impressionante de produtos com desconto. Tudo isso, claro, porque a Amazon não está visando o lucro da Black Friday, mas sim algo a longo prazo, como vamos ver no próximo tópico.

– O mercado de ebooks

Para quem lê em formatos digitais, a noite deve ter sido uma alegria só. A Amazon está apostando alto em consolidar o Kindle Unlimited, plano de assinatura mensal para leitores de ebooks. Para isso, concentrou a maior parte de seus descontos nos livros digitais, com direito a desconto na compra de um e-reader e tudo. A Black Friday, para a Amazon, representou muito mais um golpe de marketing que um sucesso de faturamento. E pressinto que vamos ver mais Kindles pelas ruas em 2016…

Fonte: terribleminds.com - Reprodução

Fonte: terribleminds.com – Reprodução

– Lucros que ninguém abriu mão

Engraçado que alguns livros estão num hype tão grande de vendas que ninguém resolveu abrir mão da margem de lucro. Ora, essa é a lei do mercado, certo? Se todo mundo vai comprar de qualquer forma, qual a justificativa de um desconto?

Senti isso, principalmente, com a série Mistborn, do Brandon Sanderson. Estou de olho na obra faz tempo, mas o precinho nada camarada da versão física me fez esperar até a Black Friday. Esperanças em vão, o livro não recebeu nem um mísero real de desconto… Também não senti muita variação de preço em livros que estão com destaque nos cinemas, como A Colina Escarlate e o box de Jogos Vorazes.

Ah, sim, outra jogada de marketing irritante: nas séries, colocar um preço mais alto no primeiro volume da coleção e ir aumentando o desconto progressivamente até o último título. Você é obrigado a comprar o primeiro mais caro, óbvio, e também é atraído a levar todos os outros de olho na pechincha.

– Frete

Um dos grandes fatores que decidiram quem lucrou e quem perdeu nas livrarias esse ano foi o frete. Com mudanças de transportadora e a greve dos caminhoneiros, tinha gente pagando mais caro pelo frete do que pelo valor dos produtos.

O Submarino foi quem mais sofreu com o valor abusivo dos fretes, perdendo muitas vendas. Por mais que os preços dos livros somados ainda assim compensasse a compra, o consumidor sente que está fazendo papel de bobo. Ninguém quer pagar 40 reais para ter uma caixa de papelão entregue em casa, mesmo que dentro existam 10 livros de 10 reais. É um princípio até mais psicológico do que financeiro.

Fonte: Tumblr - Reprodução

“Hey, mail man!” Fonte: Tumblr – Reprodução

– Mais preço, mais disponibilidade

Este foi o fator que realmente fez a diferença para o meu caso. Se os preços da Black Friday 2015 não foram grande coisa, os estoques trazidos pela Amazon foram de perder o fôlego. Muitos livros desconhecidos do mercado brasileiro voltaram às estantes, e pude encontrar volumes que estavam na minha wishlist por anos, como O Dragão de Sua Majestade (que era até então ofertado apenas como ebook).

E o melhor de tudo: estes livros repostos não vieram com preços altos, muitos inclusive com descontos. Pra quem estava buscando obras fora das listas de mais vendidos, a Black Friday da Amazon foi uma grata surpresa.

– A maior decepção

O que realmente deixou meu coração leitor partido foi a falta de descontos nos boxes de coleções menos famosas, como As Brumas de Avalon.  Tirando as sagas young adult, foi difícil encontrar bons preços nas caixas da Agatha Christie e nas séries da Julia Quinn.

(Não sei dizer como foram as coisas na parte das HQs. Se alguém souber informar, agradeço.)

Por fim, entre mortos e feridos, consegui encontrar 11 tesourinhos (todos pela Amazon), e o preço total acabou compensando a espera. Já temos material pra mais uns bons meses de TBS.

Foram eles:

Fonte: Amazon - Reprodução

Fonte: Amazon – Reprodução

E é isso. Agora vamos todos dormir…

Como o Wattpad está ajudando (e atrapalhando) o autor independente
O dia em que Neil Gaiman mudou mais um pouquinho da minha vida

Comentários:

Loading Facebook Comments ...