Quando patriotismo literário atrapalha

A ficção fantástica, seja qual for sua vertente dentro do gênero fantasia, está finalmente conquistando espaço na literatura nacional: muitos autores estão despontando no mercado e promovendo uma justa concorrência com os livros importados. Influenciados pelo cenário favorável, Wattpad e outras plataformas de compartilhamento gratuito fervilham com escritores independentes e universos mágicos. Tudo bem que de vez em quando apareça um clichê aqui ou um tema batido acolá. Ainda estamos caminhando para que a ficção brasileira ganhe de fato voz. Porém, como pessoa criada metade do dia em Hogwarts e a outra metade na Terra Média, eu não poderia estar mais feliz.

Mas nem tudo são flores. Basta entrar no assunto da ambientação de enredos para sentir um mal estar generalizado. Autores nacionais são constantemente pressionados para que suas obras se passem no Brasil. Para que seus personagens sejam brasileiros. Valorizar o que é de casa. Mostrar ao mundo que não devemos nada a ninguém.

O saudoso Clóvis representando o dilema do escritor de fantasia. Fonte: Veja - Reprodução

O saudoso Clóvis representando o dilema do escritor de fantasia. Fonte: Revista Veja – Reprodução

A questão acaba se tornando um fardo gigantesco para o autor de ficção fantástica. Porque, embora o patriotismo literário tenha seus méritos, é algo que não funciona na fantasia. Vá por mim, simplesmente não funciona.

Leia Mais


Sobre contos, kaijus e empatia

O texto a seguir pode conter spoilers de: Monstros Gigantes. Depois não diga que eu não te avisei…

Quem acompanha o TBS provavelmente já ouviu falar do Drunkwookie, blog literário do qual sou fã de carteirinha desde 2013, ano em que comecei minha história de amor com As Crônicas de Gelo e Fogo. De lá pra cá, entrei em contato com o Leandro Fonseca, autor do Drunkwookie, para trocar ideias sobre essa vida de leituras, escrita e internet.

Acabei descobrindo que o Leandro é também um excelente contador de histórias, com uma narrativa cuidadosa e repleta de significados, habilidade provavelmente adquirida após anos e anos lendo Neil Gaiman (chegue batendo \o).

Por isso, fiquei bastante empolgada quando soube que um de seus textos havia sido publicado no livro Monstros Gigantes, uma coletânea de contos nacionais sobre kaijus. Como venho dizendo há algum tempo, fico extremamente feliz de observar esse crescente interesse comercial pelas obras de ficção fantástica escritas em solo brasileiro. E junto a ele, a formação de uma nova geração de autores especialistas no gênero da fantasia.

Fonte: Drunkwookie - Reprodução

Fonte: Drunkwookie – Reprodução

Leia Mais


Lauro Kociuba e o épico do detalhe

O texto a seguir pode conter spoilers de: Estações de Caça: Haakon I. Depois não diga que eu não te avisei…

Estou bem feliz em escrever o post de hoje. Primeiro porque vamos falar de um livro que explora a mitologia nórdica, uma velha queridinha da minha estante. Segundo porque o autor é brasileiro e lançou sua primeira obra de maneira independente através de uma belíssima campanha de financiamento coletivo.

A vitória do paranaense Lauro Kociuba é uma vitória para todo o mercado literário brasileiro. Uma prova de que estamos finalmente vencendo as barreiras que limitavam as estantes, principalmente no gênero da fantasia, às produções inglesas e americanas. E a internet conta com um papel essencial neste processo. Plataformas de publicação gratuita, campanhas de crowdfunding e principalmente o boca a boca dos fóruns de discussão estão mostrando que autores de talento podem sim pertencer ao território nacional e, a bem da verdade, a qualquer lugar do mundo. (Ainda na semana passada li um artigo maravilhoso sobre como escritores nórdicos estão vencendo as dificuldades e estreando nas livrarias do Brasil)

Foi mais ou menos o que aconteceu com o Lauro, que em 2014 estava divulgando seu livro, Alvores: A Liga dos Artesãos, uma fantasia moderna ambientada na cidade de Curitiba. As interações através da plataforma Catarse renderam um público fiel e bastante engajado, crucial para a popularização da história. Assim como centenas de anos atrás, quando as histórias ainda eram contadas oralmente, o vínculo de empatia entre escritor/leitor ou orador/ouvinte sempre será uma força poderosa.

Autor e capa de Estações de Caça - Reprodução

Autor e capa de Estações de Caça. – Reprodução

Leia Mais